VOCÊ SABE O QUE É DOR MUSCULAR DE INÍCIO TARDIO?

           Se você é um atleta, seja iniciante ou de elite, provavelmente já está familiarizado com esse tipo de dor. A dor muscular de início tardio (DMIT) é aquela dor incômoda que deixa o músculo mais sensível e rígido depois do exercício ou treinamento mais intenso que o normal. Muitas pessoas sentem que esse tipo de dor piora depois de 24 horas que o exercício foi feito e continua por até 3 dias, sendo que após esse período a dor começa a diminuir aos poucos.

          Até o momento, não se sabe exatamente a causa da dor muscular de inicio tardio, mas de maneira geral, a dor acontece por causa de pequenas rupturas nas fibras dos músculos que foram exercitados. Essas pequenas rupturas geram uma inflamação e com isso sentimos a sensação de dor e rigidez nos músculos.

           Muitas pessoas acreditam que sentir essa dor é um bom sinal e que ela é necessária para gerar aumento da massa muscular. No entanto, a dor varia bastante entre as pessoas e existem alguns indivíduos praticamente nunca sentiram a dor muscular de início tardio. Por isso, não é uma verdade absoluta que devemos sentir dor para termos hipertrofia, e em alguns casos, isso pode prejudicar o desempenho dos próximos treinos e fazer com que a pessoa se sinta desestimulada.

              Se você está sentindo muita dor muscular de início tardio em um determinado músculo, não é aconselhável que continue exercitando-o de forma intensa, pois além de aumentar sua dor, você pode machucar o músculo dolorido e até mesmo outros que serão utilizados durante o exercício. Neste caso, é importante adotar algumas estratégias para acelerar o processo de recuperação, como aplicação de gelo, massagem, banhos quentes e sono adequados. A estratégia nutricional contribui da mesma forma para a recuperação, sendo importante o consumo suficiente de alimentos fonte de proteínas (ovos, peixes, carnes, leguminosas) e alimentos fonte de energia (abacate, mandioca, frutas, nozes etc). Também é interessante que você faça atividades de baixo impacto para que seus músculos possam se soltar, como por exemplo uma caminhada leve ou alguns exercícios de natação.

             Para prevenir o aparecimento da dor, é necessário que a pessoa aumente gradualmente a quantidade e intensidade do exercício em seu treino e que esteja bem hidratada antes, durante e após o exercício, já que a hidratação inadequada é uma das principais causas de desconforto e dor muscular após o treino. Além disso, algumas pessoas podem se beneficiar da suplementação de BCAAs, uma vez que seus componentes Leucina, Isoleucina e Valina são conhecidos por aliviar a dor muscular, aumentar a resistência e energia e fortalecer o sistema imunológico do atleta.

           

 

Portanto, a dica é que você tente se prevenir da dor muscular de início tardio e faça seus exercícios de forma correta, evitando ultrapassar seus limites durante o treinamento. Além disso, certifique-se de que você está adequadamente hidratado e não faça sessões de treino intenso no musculo afetado até que sua dor melhore. Lembre-se que a dor muscular não é o único meio de avaliar se o treino foi bom ou não, e sentir dor não significa necessariamente que você se esforçou mais. Caso a dor muscular de início tardio se manifeste em algum grupamento muscular especifico, faça exercícios que utilizem as partes do corpo menos afetadas para permitir que os músculos mais afetados se recuperem.

 

REFERENCIAS

COSTELLO, Joseph T et al. Whole-body cryotherapy (extreme cold air exposure) for preventing and treating muscle soreness after exercise in adults. Cochrane Database Of Systematic Reviews, [s.l.], 16 out. 2013. John Wiley & Sons, Ltd. http://dx.doi.org/10.1002/14651858.cd010789.

ARMSTRONG, R. B.. Mechanisms of exercise-induced delayed onset muscular soreness. Medicine & Science In Sports & Exercise, [s.l.], v. 16, n. 6, p.529-538, dez. 1984. Ovid Technologies (Wolters Kluwer Health). http://dx.doi.org/10.1249/00005768-198412000-00002.

SHIMOMURA, Yoshiharu et al. Nutraceutical Effects of Branched-Chain Amino Acids on Skeletal Muscle. The Journal Of Nutrition, [s.l.], v. 136, n. 2, p.529-532, 1 fev. 2006. Oxford University Press (OUP). http://dx.doi.org/10.1093/jn/136.2.529s.

Nosaka, K. (2008). Muscle Soreness and Damage and the Repeated-Bout Effect. In P.M.Tiidus (Ed.), Skeletal Muscle Damage and Repair (pp. 59-76). Champaign, IL, USA: Human Kinetics.

SNYDER, James G. et al. Efficacy of Cold-Water Immersion in Treating Delayed Onset Muscle Soreness in Male Distance Runners. Medicine & Science In Sports & Exercise, [s.l.], v. 43, n. 1, p.766-772, maio 2011. Ovid Technologies (Wolters Kluwer Health). http://dx.doi.org/10.1249/01.mss.0000402128.66983.f7.

 

 

Please reload

Nutricionista Esportiva graduada pelo Centro Universitário São Camilo com extensão em Home Care e Neurobiologia da Ingestão de Alimentos, especialista na área de Obesidade e Emagrecimento pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).
Certificada em Advanced Nutrition Specialist pela IFBB Academy.
Palestrante em diversos eventos e docente do curso técnico do Hospital Israelita Albert Einstein.
Dra. Isabelle Zanoni
Arquivo
Please reload

Tag Cloud