COMER DE 3 EM 3 HORAS OU QUANDO ESTIVER COM FOME?

              Eu preciso comer de 3 em 3 horas? Faz mal comer dessa maneira? Quantas refeições devo fazer por dia? São muitas as perguntas relacionadas a este tema e as respostas dependem de alguns fatores.

  

             Antigamente, nos anos 1970 – 1980, era comum que as pessoas realizassem em média 3 refeições diárias, sendo o café da manhã, almoço e jantar. Quem nunca tomou bronca da avó ou de um parente mais velho por estar comendo alguma coisa antes da refeição principal? “Se você comer agora vai perder a fome na hora do almoço”.

              Hoje em dia, a maioria das recomendações são que devemos fazer mais refeições ao longo do dia ou então comer de 3 em 3 horas para sermos mais saudáveis. No entanto, os hábitos alimentares variam na população e algumas pessoas preferem comer mais vezes durante o dia, outras pessoas preferem comer três refeições e outras ainda preferem fazer jejum intermitente e comer uma refeição grande no almoço e outra no jantar. Como o jejum intermitente é um tema polêmico e há muitas informações contraditórias sendo espalhadas, algumas pessoas acham que ele pode ser muito perigoso ou muito benéfico, mas na verdade, ele pode ser implementado ou não, dependendo da individualidade de cada um.

            Mas será que existe uma maneira correta de dividir nossa alimentação durante o dia? Na verdade, o fracionamento das refeições está mais ligado aos hábitos pessoais e culturais dos diferentes povos e não há uma maneira correta de dividir as refeições. A ideia de que comer de 3 em 3 horas é mais saudável foi aceita pela maioria e isso causou uma certa confusão entre as pessoas que não gostam ou não se adaptaram a comer desta maneira.

        Os estudos que foram feitos para testar os fracionamentos mostraram que não houve diferença entre os grupos que comeram menos vezes ao dia ou mais vezes ao dia, desde que a qualidade dos alimentos e as calorias fossem as mesmas. Isso quer dizer que o mais importante é qualidade e a quantidade dos alimentos que serão consumidos, e não quantas refeições serão feitas. É importante ressaltar que os estudos foram feitos com pessoas que representam a maioria da população, e não com atletas profissionais de elite que necessitam ingerir quantidades enormes de calorias durante o dia. Neste caso, é melhor que o consumo de alimentos seja dividido em mais vezes para que eles consigam atingir a quantidade de calorias necessárias durante o dia.

               A quantidade de vezes que você come ao dia não influencia no emagrecimento, nem na perda de massa magra e nem na diminuição ou aumento do metabolismo. Portanto, devemos comer quando estivermos com fome e voltar nossa atenção para a qualidade dos alimentos e para quantidade que necessitamos ingerir ao invés de pensar no número de refeições que devemos fazer. Se você se sente melhor comendo menos refeições, não há problemas. Se você se sente bem fazendo jejum intermitente, pode fazer. Se você prefere comer 6 refeições ao dia, também está liberado.

           As pessoas que tem alguma doença crônica ou que usam remédios controlados devem sempre consultar profissionais qualificados antes de mudar seus hábitos alimentares. Para ajustar a quantidade e qualidade da dieta, procure sempre um nutricionista.

 

REFERENCIAS

BELLISLE, France; MCDEVITT, Regina; PRENTICE, Andrew M.. Meal frequency and energy balance. British Journal Of Nutrition, [s.l.], v. 77, n. 1, p.57-58, abr. 1997. Cambridge University Press (CUP). http://dx.doi.org/10.1079/bjn19970104.

KEIM, Nancy L.; HORN, William F.. Restrained Eating Behavior and the Metabolic Response to Dietary Energy Restriction in Women. Obesity Research, [s.l.], v. 12, n. 1, p.141-149, jan. 2004. Wiley. http://dx.doi.org/10.1038/oby.2004.19.

HEILBRONN, Leonie K et al. Alternate-day fasting in nonobese subjects: effects on body weight, body composition, and energy metabolism. The American Journal Of Clinical Nutrition, [s.l.], v. 81, n. 1, p.69-73, 1 jan. 2005. Oxford University Press (OUP). http://dx.doi.org/10.1093/ajcn/81.1.69.

VENNE, Wilhelmine P. H. G. Verboeket-van de; WESTERTERP, Klaas R.; KESTER, Arnold D. M.. Effect of the pattern of food intake on human energy metabolism. British Journal Of Nutrition, [s.l.], v. 70, n. 01, p.103-104, jul. 1993. Cambridge University Press (CUP). http://dx.doi.org/10.1079/bjn19930108.

 

Please reload

Nutricionista Esportiva graduada pelo Centro Universitário São Camilo com extensão em Home Care e Neurobiologia da Ingestão de Alimentos, especialista na área de Obesidade e Emagrecimento pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).
Certificada em Advanced Nutrition Specialist pela IFBB Academy.
Palestrante em diversos eventos e docente do curso técnico do Hospital Israelita Albert Einstein.
Dra. Isabelle Zanoni
Arquivo
Please reload

Tag Cloud